Follow by Email

sábado, 30 de maio de 2015

À PARTIR DESTE MÊS DE MAIO/2015 EU ESTAREI ESCREVENDO NUMA COLUNA DO JORNAL TRIBUNA DE SETE LAGOAS/MG

O PESADELO DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO O ser humano é um organismo vivo, dotado de inteligência e habilidades interessantes. Porém, quando se fala nele para dirigir um veículo, percebemos que muitos saem do seu consciente normal e deriva para mundos diferentes. Uns se acham que estão numa pista de corrida, ainda visualizada dentro de uma tela guiada por um vídeo game; outros se veem dentro de uma nave intergaláctica, onde viaja pelo espaço sem noção do perigo; ainda outros se perdem no enredo e no fundo musical de um inesquecível filme que assistiu na tela de uma televisão. Poderia citar mais casos, mas acho que estes são suficientes para ilustrar uma realidade que nada tem a ver com um final feliz. As estatísticas por morte no trânsito são absurdas. Você já pensou que, quando sai de casa com seu veículo, para ir até o outro lado da cidade, existe uma possibilidade de você não regressar com vida à sua casa? Pois é, esse não é um assunto agradável! Mas, é preciso refletir sobre essa realidade dos tempos atuais. Conforme as estatísticas mundiais morrem por ano, em média, um milhão e 200 mil pessoas em todo o mundo. E pensem quantos milhões ficam inválidos. Outro dado alarmante são os gastos com os acidentes de trânsito no Brasil. Segundo estudo publicado pelo Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) e pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) em 2006, com dados coletados em 2004 e 2005, o custo social anual dos acidentes em rodovias é da ordem de R$ 24,6 bilhões. A pesquisa constatou que o custo médio do acidente com feridos fica em torno de R$ 90 mil e com mortes esse valor chega a R$ 421 mil. Chegamos à conclusão que é urgente o investimento na segurança de trânsito. Estradas menos perigosas, sinalização eficiente, maior efetivo de fiscalização, motoristas mais conscientes e leis de trânsito mais rigorosas. E pensando nas mortes que presenciamos todos os dias, que desfaleçam famílias inteiras, veio-me um pensamento. Talvez um pensamento de ficção, mas poderia facilmente habitar os nossos sonhos de uma humanidade melhor: “Fazer com que o trânsito circule no subterrâneo, através de vários túneis intercalados, que substituiriam as nossas ruas e rodovias. Os veículos seriam automáticos, o motorista não vai dirigi-lo, apenas digitará um código no seu computador de bordo e o mesmo seguirá pelo percurso desejado. Enquanto isso, o seu condutor poderá dormir, ler um jornal, acessar a internet ou seu smartphone. Os acidentes de trânsito não acontecerão mais, pois todos os veículos serão controlados por centrais de monitoramento que controlarão o trafego, sem que haja conflito entre as rotas e os horários. Conforme um dito popular: “Sonhar não custa nada.” Ou como outra bela frase: “Sonhar não é pecado!”, estamos precisando de bons sonhos para apagar esta horrenda realidade. PAULO ROBERTO DE SOUSA MORAES – escritor Paulosmoraes1000@gmail.com