Follow by Email

sábado, 14 de novembro de 2015

ÁGUA, ELA VAI ACABAR?

Artigo publicado no Jornal Tribuna de Sete Lagoas no dia 07 de novembro de 2015.
Água, elemento natural, mineral, essencial à vida humana e à toda diversidade biológica do Planeta Terra. Ao contrário do que se pensava, a água é um recurso esgotável, apesar de quase dois terços de o nosso planeta ter a superfície ocupada por esse líquido tão precioso. Então surge a pergunta: “A água vai acabar no mundo?” Conforme especialistas na área ambiental a resposta é negativa. O ciclo hidrológico se renova constantemente. Mas a questão é como está sendo usados os recursos hídricos que possui o planeta e qual sua qualidade? 

                        Em todo o planeta 97% da água é salgada, ou seja, estão nos mares e oceanos. E os outros 3% de água doce estão na sua maior parte em geleiras, sobrando pouca porcentagem para os seres humanos usufruírem dos lagos e rios. Dessa pequena porção, quase 80% dela é usada pela agricultura e indústria. O que sobra disso é o que usamos para o nosso consumo.

                        Porém, o fator mais preocupante nessa questão é quanto à qualidade da água e a conservação de suas fontes. O que muito se vê nos grandes centros urbanos, hoje em dia, são rios, córregos e lagoas poluídos e contaminados. E água poluída é diferente de água contaminada. A primeira tem seu odor, gosto e cor alterados, além de perder seus sais minerais. A segunda contém elementos pesados, como radioativos e elementos bastante nocivos à saúde dos seres vivos.

                        Estamos vivendo atualmente períodos constantes de estiagem e seca, o que compromete grandemente os reservatórios das companhias de água e esgoto, que servem para abastecer à população nas cidades. A explicação para essa falta de chuvas no nosso país, que possui a maior porcentagem de água doce do mundo, revela-se em diversos fatores. Dentre eles, está o desmatamento clandestino e desordenado, principalmente na Amazônia; a falta de políticas para conservação das nascentes dos rios e da mata ciliar de seu manancial; a falta de uma constante campanha de conscientização da população para o uso racional da água; a falta de uma concreta política mundial de conservação do meio ambiente e controle dos meios de poluição.

                        Além desses fatores, existem ainda outros fatores que contribuem para o descontrole climático, causando grandes desastres ambientais em todo o nosso planeta. Diante dessa realidade, resta-nos fazer e ser parte daqueles que acreditam na recuperação ambiental do Planeta Terra. Para isso devemos buscar alternativas para o uso inteligente da água; denunciar atitudes que prejudicam o ciclo hidrográfico, como jogar lixo nas ruas e rios, lavar calçadas com mangueiras, desmatar áreas de preservação, indústrias que despejam dejetos nos rios; apoiar e fiscalizar projetos para conservação de recursos hídricos em seu município, entre outros. 
                        Enfim, lutar pela quantidade e qualidade da água começa por cada um de nós. Não é só obrigação da prefeitura e do governo. Recebemos de herança de nossos antepassados, rios caudalosos, com águas cristalinas e estações bem definidas. Não vamos deixar para os nossos netos rios mortos, com águas poluídas e estações descontroladas. Vamos arregaçar as mangas e lutar pela água, pela nossa vida!

Paulo Roberto de Sousa Moraes – escritor – paulosmoraes1000@gmail.com